notícias

Loading...

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Documentário A Cor do Trabalho resgata memória do trabalho negro - Portal Vermelho

Documentário A Cor do Trabalho resgata memória do trabalho negro - Portal Vermelho



'A Cor do Trabalho é dirigido por Antônio Olavo, que tem uma vasta experiência em tratar a história de resistência do povo negro na telona. O documentário levou um ano para ficar pronto, em 72 minutos conta a história de 32 pessoas negras que tiveram sucesso em seus empreendimentos e carreiras profissionais. 

“Existe um legado que serviu para modificar boa parte da vida dos negros baianos, mas ainda hoje, mesmo com muitos esforços, é oculto. Este documentário mostra que o trabalho é uma contribuição para rasgar esse véu que cobre a história do povo negro”, explica'



fonte http://www.vermelho.org.br/

terça-feira, 18 de novembro de 2014

20 de Novembro

Foto: Mercado de trabalho ainda discrimina pela cor da pele

Brasília – O mercado de trabalho evidencia a discriminação racial existente no Brasil: a população negra, em geral, ganha menos do que a branca. E mulheres negras ganham menos do que homens negros. Os dados são do estudo “Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça”, realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 2011.

A pesquisadora da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Márcia Leite Borges, analisou o documento e chegou à conclusão de que, muitas vezes, não é capacidade, merecimento ou escolaridade que determina a diferença salarial, mas sim a cor da pele.

“Observando os dados apresentados, é possível afirmar que a pobreza no Brasil tem cor e gênero: mulher e negra. Isso não significa que os homens negros não sejam vítimas da discriminação, mas sim, que a mulher negra, em geral, tem uma situação econômica pior”, afirma Borges no artigo “Desigualdades Raciais e o Mercado de Trabalho no Brasil”.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) vem combatendo a discriminação no mercado de trabalho e promovendo a igualdade de oportunidades, principalmente por meio do Programa Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidades para Todos. A ideia é coibir práticas discriminatórias em determinados setores empresariais, aplicando a chamada “discriminação positiva”.

“O programa questiona os procedimentos organizacionais de contratação e ascensão funcional de empresas de porte médio e grande, com a intenção de obter resultados efetivos, por meio da execução das chamadas 'medidas afirmativas' por parte de setores econômicos estratégicos, em que se combinam ações repressivas com práticas das ações afirmativas com a utilização de análise dos dados estatísticos da composição da empresa a comparação com os dados da população economicamente ativa do local”, explica a procuradora do Trabalho, Lisyane Chaves Motta, coordenadora nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade).

Campanha – A campanha Mês da Consciência Negra para a efetivação da igualdade racial no Brasil é promovida pelo MPT em novembro. Ao todo serão abordados quatro temas: raça e racismo (de 3 a 9/11), violência contra negros (10 a 16), discriminação no ambiente de trabalho (17 e 23) e cotas raciais (24 a 30). A campanha, que conta com o apoio do Grupo Nacional de Direitos Humanos (GNDH), está sendo divulgada nas redes sociais, TV aberta e rádio.
Mercado de trabalho ainda discrimina pela cor da pele

Brasília – O mercado de trabalho evidencia a discriminação racial existente no Brasil: a população negra, em geral, ganha menos do que a branca. E mulheres negras ganham menos do que homens negros. Os dados são do estudo “Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça”, realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 2011.

A pesquisadora da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Márcia Leite Borges, analisou o documento e chegou à conclusão de que, muitas vezes, não é capacidade, merecimento ou escolaridade que determina a diferença salarial, mas sim a cor da pele.

“Observando os dados apresentados, é possível afirmar que a pobreza no Brasil tem cor e gênero: mulher e negra. Isso não significa que os homens negros não sejam vítimas da discriminação, mas sim, que a mulher negra, em geral, tem uma situação econômica pior”, afirma Borges no artigo “Desigualdades Raciais e o Mercado de Trabalho no Brasil”.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) vem combatendo a discriminação no mercado de trabalho e promovendo a igualdade de oportunidades, principalmente por meio do Programa Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidades para Todos. A ideia é coibir práticas discriminatórias em determinados setores empresariais, aplicando a chamada “discriminação positiva”.

“O programa questiona os procedimentos organizacionais de contratação e ascensão funcional de empresas de porte médio e grande, com a intenção de obter resultados efetivos, por meio da execução das chamadas 'medidas afirmativas' por parte de setores econômicos estratégicos, em que se combinam ações repressivas com práticas das ações afirmativas com a utilização de análise dos dados estatísticos da composição da empresa a comparação com os dados da população economicamente ativa do local”, explica a procuradora do Trabalho, Lisyane Chaves Motta, coordenadora nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade).

Campanha – A campanha Mês da Consciência Negra para a efetivação da igualdade racial no Brasil é promovida pelo MPT em novembro. Ao todo serão abordados quatro temas: raça e racismo (de 3 a 9/11), violência contra negros (10 a 16), discriminação no ambiente de trabalho (17 e 23) e cotas raciais (24 a 30). A campanha, que conta com o apoio do Grupo Nacional de Direitos Humanos (GNDH), está sendo divulgada nas redes sociais, TV aberta e rádio.

Fonte Ministério Publico do Trabalho https://www.facebook.com/mpt.br?hc_location=timeline

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Por uma quebra de paradigmas.

http://www.blckdmnds.com/a-africa-urbana-e-contemporanea-da-okan-benin/http://www.blckdmnds.com/a-africa-urbana-e-contemporanea-da-okan-benin/


Caros amigos este post é um dos poucos materiais que buscam elevar a imagem da africa pelos seus feitos, suas atividades interessantes e características. Um bom exemplo para trabalhar a auto estima da população afrodescendente e caminhar para frente pelos bons exemplos. Confere aí neste site esta dica.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Cine África: Keita! L'héritage du griot - Dany Kouyaté (1996)

Keita! O legado do griot
"O velho griot Djeliba deixa sua aldeia do interior e se instala na residência da família Keita para realizar uma missão: a iniciação do menino Mabo nas tradições familiares, cuja origem remonta a Sundjata Keita - o fundador do Império do Mali.  Mas as diferenças entre a memória preservada pela oralidade e a história ensinada a Mabo na escola geram um clima de tensão entre o valor da tradição e as exigências da sociedade africana moderna. O foco da tensão será a divergência entre o conhecimento histórico ensinado na escola e a memória história preservada pelos tradicionalistas."


Cine África: Keita! L'héritage du griot - Dany Kouyaté (1996): Burkina Fasso | Dany Kouyaté | 1996 | Drama Língua: Francês | Legendas: Português e francês | IMDB   96 min | 700 Mb Keita! L&#39...

Muito bom para trabalhar em sala de aula, o conflito entre o tradicional e o moderno é um tema que pode ser discutido em qualquer realidade, qualquer comunidade.Tratar da questão da oralidade na Africa é entender a cultura africana em sua raiz e o papel dos griots neste processo é fundamental. Boa dica de filme.

Cine África: Crônica Dos Anos De Fogo - Mohammed Lakhdar-Hamina...

" Crônica Dos Anos De Fogo (1975)
"A história começa em 1939 e termina 11 de novembro de 1954, e através de marcos históricos, mostra que o 1 de Novembro de 1954 (data do início da revolução argelina) não é um acidente da história, mas o culminar de um longo processo de sofrimento. Conta a história do camponês argelino, Ahmad, que foge de sua aldeia, para escapar da fome e da seca. O filme apresenta a violência como estágio inevitável no conflito entre colonizador e colonizado. A transformação de Ahmad, de camponês analfabeto a líder revolucionário, simboliza o amadurecimento de uma consciência independente voltada para a libertação nacional."


Cine África: Crônica Dos Anos De Fogo - Mohammed Lakhdar-Hamina...:   Argélia| Mohammed Lakhdar-Hamina | 1975 | Drama Língua: Árabe | Legendas: Português | IMDB   177 min | 1.148 GiB / 1.506 GiB  ...